“O Artista do Desastre” recria os bastidores do pior filme já feito em Hollywood


The Room“, obra em que se baseia o atual longa de James Franco, é um filme que ninguém entende. O enredo que descreve um triângulo amoroso cheio de tramas desconexas tem de longe um dos roteiros mais confusos da história do cinema. Não se sabe se sua narrativa é autobiográfica ou se a pessoa que o escreveu é um reptiliano. Tommy Wiseau, o roteirista, escritor, compositor, protagonista e diretor da projeção, é a peça central de ambos os filmes.

Produção da A24, que esteve entre as indicações de quase todas as premiações desta temporada, “O Artista do Desastre” relata a história dos bastidores de “The Room“, onde um misterioso ator sonha em firmar sua carreira nas artes cênicas, e com o apoio de um amigo e da intensa amizade atrelada a ambição pelo sucesso, partem para Hollywood em busca de um novo destino a suas vidas. O excêntrico Wiseou é interpretado por James Franco, enquanto Greg, o amigo, é interpretado por Dave Franco, irmão de James na vida real – algo que certamente facilitou no entrosamento das atuações, criando uma fidedigna sintonia entre os personagens.

Além do filme que ironicamente se tornou um clássico cult, “O Artista do Desastre” também foi baseado no livro  homônimo de Greg Sestero (o Mark em The Room), mostrando com riqueza de detalhes como foi todo o processo criativo por trás do pretensioso projeto. No longa (de James Franco) que recria a produção do pior filme já feito em Hollywood, podemos acompanhar a fundo como Tommy era uma pessoa difícil de se lidar e o quão era inseguro sobre seu talento.

O filme é uma história sobre o filme em si, o que é bom, pois ninguém sabia se “The Room” era de fato sobre alguma coisa. A melhor parte de tudo isso é fazer com que a gente entenda um pouco melhor, e até crie um pouco mais de empatia, em relação a um dos artistas mais incompreendidos do nosso século.

No fim, para alguém que aprendeu a amar e admirar “The Room”, respeitando as suas limitações e tendo noção de que, sim, a película original é muito ruim, “O Artista do Desastre” faz um bom trabalho em desempenhar uma bela desconstrução de personagens, retratando delicadamente e quase fielmente o curioso enredo de Wiseau e seu amigo em busca da fama.

Para contemplar a projeção em toda sua dimensão, aconselhamos que você (leitor) assista ou revisite o longa “The Room” para melhor imersão. Afinal, são de cenas como essa abaixo que o filme estabelece seu status magnânimo de “Cidadão Kane” dos filmes ruins.

Oh, hi Mark!

 

Marina Alcântara

Filled with hate but in a cute way.

Marina Alcântara

Filled with hate but in a cute way.