O sincero “Ctrl” de SZA


Talvez a primeira impressão que tive ao ouvir um dos primeiros singles da cantora, tenha colidido frente a frente com minha primeira reação ao ouvir uma das mixtapes de Frank Ocean – de total surpresa. A americana de 26 anos que acabou de lançar o seu primeiro registro em titulado como “Ctrl“, conquistou a grande crítica com sua sonoridade crua e doce, falando principalmente sobre uma das questões contemporâneas mais complexas: O que é o amor?

Se foi ficção ou vida real, não sabemos, mas a forma como SZA conta suas histórias nas faixas ”Supermodel” e “Love Galore”, são de fato deslumbrantes. Faixas onde a insegurança e a solidão em um relacionamento (não-reciproco) se perpetuam como algo aflitivo, quase como uma negligência proposital. É em “Love Galore” com a participação do rapper Travis Scott que vemos essa afirmação virar uma bola de neve de erros fatais.

Why you bother me when you know you don't want me?
Why you bother me when you know you got a woman?
Why you hit me when you know you know better?
- Love Galore

Apesar de na maioria de seus versos SZA prezar pelo conto do romance, “Ctrl” é uma obra sobre a liberdade feminina, de poder ser e fazer o que você quiser como mulher. Na música “Doves in the Wind” frisa a importância da mulher e questiona o que realmente importa para o homem em uma relação.

Real niggas do not deserve pussy
Meaning it's more, you see right through walls
- Doves in the Wind

O conto moderno da compositora parece simples e de fato é, mas nas suas variadas camadas encontramos uma verdade tão clara que outros artistas de sua vertente (R&B) não conseguem tocar com tanta percepção. A produção minimalista acompanha e traz corpo ao lirico trabalho sólido feito aqui. É tudo muito bem feito e pensado com singularidade. Realmente um forte refresh para a cena R&B que anda cansada e saturada dos mesmos beats e floreamentos vocais.

Voltando a comparação que fiz no começo com Frank Ocean, acredito fortemente que assim como ansiamos todo ano por um novo álbum do cantor e almejamos que seja tão impactante quanto seu aclamado “Channel Orange“, eu (particularmente) ansiarei todo ano (da mesma forma) por um novo álbum tão completo quanto este. Continuarei acompanhando, e você deveria também.

Flávia Denise

Jornalista & Music nerd. ;)