Questionando o rock como forma e estilo, Alaska recria em álbum “Ninguém Vai Me Ouvir”

Após encerrar o ciclo de seu bem-recebido álbum de estreia, “Onda”, a Alaska já tinha um nome dentro do underground, uma reputação na cena independente e todo um cenário musical de apoio. Mas isso não era o suficiente. Se guiando com o norte de uma busca por um trabalho sonoro e visual próprios, a banda rumou por um caminho quase oposto ao seguido anteriormente. “Ninguém Vai Me Ouvir” chega aos streamings trazendo tons de eletrônico, experimental e se mostrando frágil em algumas de suas letras mais diretas. Uma prova disso tudo é o sigle  “____________vazio”. Confira o clipe, e note a criatividade presente na produção.

Da intensidade da troca com outros músicos e com o público em três anos de turnê do primeiro trabalho, ficou a vontade de ir além. Além de um aprofundamento próprio, para este disco, os músicos se inspiraram em relatos dos próprios fãs, que compartilharam histórias pessoais de forma anônima por meio da plataforma Curious Cat. Essas histórias estimularam o diálogo sobre as inseguranças, tristezas e segredos e fizeram a banda tentar se abrir mais liricamente e ousar mais na parte técnica.

A banda Alaska é formada pelo o vocalista André Ribeiro, Nicolas Csiky (bateria), André Raeder (guitarra), Vitor Dechem (teclado, guitarra e voz) e Wallace Schmidt (baixo).

Outra faixa disponibilizada pelo o quinteto é “Até o Mundo Acabar“.

O disco está disponível nos serviços de streaming pelo selo Sagitta Records. Corre para ouvir!

 

Marcus Barreto

Jornalista de bem com a vida, fã de esportes e cinema.