De acordo com o THR, o presidente francês, Emmanuel Macron fez um discurso onde afirmou que a proibição de todos os eventos públicos, incluindo festivais, vão durar até julho. Após 11 de maio, período no qual o país deseja finalizar o confinamento, a França planeja permitir o funcionamento de empresas e instituições públicas. Mas Macron deixou claro que levaria algum tempo até que o país voltasse ao normal.

“Bares, restaurantes, cafés, hotéis, cinemas, teatros, salas de concertos e museus permanecerão fechados nesta fase”, disse ele, observando que festivais e outros eventos com grandes multidões serão proibidos até meados de julho.

Dito isso, esse pronunciamento pode ser o veredito final para que o possível cancelamento da 73º edição do Festival de Cinema de Cannes aconteça. O festival deste ano já foi adiado de 12 a 23 de maio devido à pandemia de coronavírus. Mas os organizadores do festival até agora se recusaram a cancelá-lo, com esperança de que o Festival de Cannes de 2020 possa ser realizado do final de junho ao início de julho.

A indústria internacional já está trabalhando no pressuposto de que Cannes será cancelada este ano. Várias empresas internacionais de produção e vendas apresentaram planos para um mercado virtual alternativo para os produtores apresentar seus novos projetos e exibirem filmes finalizados, caso o festival seja cancelado.

Publicado por Marcus Barreto

Jornalista de bem com a vida, fã de esportes e cinema.