Os 10 álbuns mais marcantes de 2019

Os 10 álbuns mais marcantes de 2019

2019 foi um grande ano tanto para as figurinhas carimbadas, como para aquelas que ainda estão em ascensão no mundo da música. No âmbito nacional, surpresas vieram de todos os estilos e cantos do Brasil. No cenário internacional, teve gringo brincando com o Rap e o Gospel.

Não há dúvidas de que o balanço geral foi bom, mas para facilitar a sua vida na hora de relembrar os grandes momentos musicais desse ano, pensamos em uma lista com os 10 álbuns (nacionais e internacionais) mais marcantes de 2019. De Billie Eilish a MC Tha, esses são os nossos escolhidos.


“Jesus is King” – Kanye West

Sempre nos holofotes, o Mr. West não deixou o ano de 2019 passar em branco. Como prometido – e bota prometido nisso – o rapper lançou este ano seu aguardadíssimo álbum “Jesus is King“, onde projeta uma fase com um viés bem mais religioso. Com letras de adoração e superação, o artista continua a quebrar paradigmas e se lançar cada vez mais de cabeça em novas possibilidades.

E não é que deu certo?



“When We All Fall Asleep, Where Do We Go?” – Billie Eilish

Com somente 18 anos de idade, a cantora Billie Eilish fez um verdadeiro furdunço da industria fonográfica. Se desprendendo de preceitos do que levam a musica pop, a ser pop, Billie junto de seu irmão Finneas, idealizaram em um simples quarto e quase de forma caseira, o que viria a ser o disco “When We All Fall Asleep, Where Do We Go?”. Chamando atenção pelo estilo e pela voz suave, a cantora deixa sua marca em 2019 da maneira mais surpreendente possível.


“Crux” – Apeles

Crux“, projeto encabeçado pelo músico Eduardo Praça, é sem sombra de duvidas um dos projetos mais bonitos deste ano. Delicado em sua execução e na forma como distribui suas emoções, Praça quê trabalha aqui sob o nome de Apeles, destrincha em forma de música suas memórias mais marcantes. Essa crônica é muito bem costurada pelo músico através de letras melancólicas, promovendo uma imersão quase palpável.



“Assume Form” – James Blake

Da melancolia a pura felicidade. Foi com muita surpresa que recebemos o quarto disco de James Blake, “Assume Form“. Com uma tonalidade totalmente diferente de seus outros projetos, Blake atacou este ano de homem apaixonado. Isso mesmo! Aqui tudo são flores. Com beats muito bem assertados e dignos de uma trajetória muito bem traçada pelo músico, é de se espantar – de forma genuinamente boa – o que foi realizado aqui.


“Morri de Raiva” – BRVNKS

Emanando as angustias de uma juventude, Bruna Guimarães encabeça o projeto BRVNKS. Com uma mistura de indie e punk, a cantora lidera uma verdadeira onda de refresh a cena musical independente do país. Com referências que vão claramente de bandas como Wavves, Pavement e Best Coast, a banda goiana reflete em letras “supostamente” bobas, o turbilhão de emoções que vivemos de formas tão distintas.


“Rito de Passá” – MC Tha

Comigo ninguém pode, porque meu santo é forte…” canta MC Tha. E é verdade! Expondo um dos trabalhos mais completos de 2019, a cantora paulista e orgulhosamente umbandista, promove em seu “Rito de Passá” a maior definição da música brasileira este ano. Fazendo uma mescla que dá muita liga entre a MPB e o Funk, a cantora apresenta uma projeto ímpar, demonstrando que as sonoridades presentes em cada canto do Brasil, podem sim se interligar e entregar ao país um pouco de alegria e esperança em tempos tão sombrios.


“Respiro” – Scalene

Seu título diz tudo. Quase como um manifesto de resistência, a banda brasiliense Scalene entregou este ano aos seus fãs o seu quinto álbum, “Respiro“, projeto mais abrasileirado de sua trajetória. Gerado como reação aos tempos inflamados em que estamos submersos, o disco soa como uma espécie de trégua diante do descontrole cotidiano. Diferente de “magnetite“, lançado em 2017, o sucessor procura o espaço entre as melodias para de forma menos carregada – mas não menos dura – impor uma reflexão a este período social de tanta tensão.


“i,i” – Bon Iver

De “For Emma, Forever Ago” a “22, A Million”, Justin Vernon vem comprovando constantemente sua vontade de experimentar cada vez mais sua sonoridade. Em “i,i“, projeto certeiramente lançado este ano, o músico expõe mais uma vez seu talento para tal. Trabalhando fortemente em cima de sintetizadores, o cantor provoca neste projeto uma verdadeira experiência sensorial. Esteja atento aos mínimos detalhes aqui.


“Dedicated” – Carly Rae Japsen

Carly Rae Japsen é promessa que virou realidade. Desde sua estreia com o ótimo disco “EMOTION”, a cantora segue em uma crescente absurda. Em seu novo álbum “Dedicated“, Carly reúne referências musicais que vão de Donna Summer a ABBA, com a clareza de que está promovendo algo para além do seu tempo. Aqui vemos o pop em sua melhor fase.


“Apká” – Céu

Céu nunca decepciona. De surpresa a cantora lançou em setembro seu quinto álbum de estrada, “Apká“. Foi no susto que os fãs receberam um dos trabalhos mais concretos deste ano. Inspirada por sua própria vida, o projeto é reflexo do universo vivido por Céu, com canções sobre amor, feminismo, maternidade, ideologia, entre outros.

ARTIGOS RELACIONADOS