Lollapalooza 2019: Saiba onde assistir pela TV e via internet

O Lollapalooza Brasil começa hoje! De 5 à 7 de abril, o Autódromo de Interlagos em São paulo, irá receber um dos maiores eventos musicais do mundo –  e claro que você não vai ficar fora dessa não é? Para aqueles que não poderão se deslocar até o festival, por dinheiro ou distância, o evento será transmitido na íntegra pela TV e via internet.

A cobertura completa será feita pelos canais Multishow e BIS, que exibirão os shows ao vivo. Já a Rede Globo, como de praxe, apresentará um compilado de melhores momentos do dia. Pela TV e internet, o Multishow ficará a cargo dos palcos principais, Palco Budwiser e Palco 2.

No BIS, os espectadores acompanharão os palcos secundários, Palco 3 e Palco Perry. Em ambos os canais, a transmissão começará a partir de 14h00 da tarde. Na Rede Globo começará a partir de 0h24 da manhã, do sábado para o domingo. Vale lembrar que você poderá também acompanhar ao vivo pelo celular, nos aplicativos da Multishow Play e BIS Play. E por falar em plataformas de streaming, este será o primeiro ano em que a Globoplay irá transmitir o festival, para assinantes e não-assinantes! 

Durante três dias consecutivos, 05, 06 e 07 de abril, o Lollapalooza Brasil 2019 vai contar com quatro palcos e mais de 60 atrações, entre elas Arctic Monkeys, Tribalistas, Sam Smith, Kings of Leon, IZA, Post Malone, Lenny Kravitz, Twenty One Pilots e mais. Infelizmente os fãs do rapper Kendrick Lamar que não estarão no Festival, ainda não podem se animar para assistir o show na íntegra no Multishow pois o artista negou sua transmissão ao vivo. Entretanto, como a esperança é a última que morre, as negociações seguem em andamento.



Confira os horários dos shows:

5 de abril (Sexta-feira)

Multishow

Scalene — 14h
Portugal, The Man — 14h50
Foals — 15h55
The 1975 — 17h
Tribalistas — 18h05
Sam Smith — 19h25
Arctic Monkeys — 21h

Bis

The Fever 333 — 14h
Bruno Be — 15h15
Troye Sivan — 15h55
Loud Luxury — 16h45
Fisher — 17h45
St. Vincent — 18h20
Zhu — 19h
KSHMR — 20h15
Mackemore — 21h
Tiesto — 21h30

6 de abril (Sábado)

Multishow

Rashid — 14h10
Silva — 15h05
Snow Patrol — 16h10
Bring Me The Horizon — 17h15
Lenny Kravitz — 18h20
Post Malone — 19h40
Kings of Leon — 21h

Bis

Lany — 14h10
Chemical Surf — 15h15
Jain — 16h10
Gryffin — 16h30
Valentino Khan — 17h45
Jorja Smith — 18h20
Vintage Culture — 19h
Kungs — 20h15
Steve Aoki — 21h30

7 de abril (Domingo)

Multishow

BK — 14h10
Gabriel, o Pensador — 15h
The Struts — 16h05
Interpol — 17h10
Greta Van Fleet — 18h15
Twenty One Pilots — 19h25

Bis:

Letrux — 14h10
Groove Delight 15h
Iza — 16h05
GTA — 16h15
Bhaskar — 17h30
Rufus Du Sol — 18h15
Don Diablo — 18h45
RL Grime — 20h
Years & Years — 21h15


Álbuns de Arctic Monkeys e Florence + The Machine estão entre os indicados ao Mercury Prize

Foram anunciados nessa quinta-feira (26) os indicados à premiação Mercury de 2018. O prêmio é um grande termômetro da indústria fonográfica, principalmente do Reino Unido, ao unir os melhores trabalhos de bandas e artistas da região. Além também da premiação em dinheiro, avaliada em 22 mil libras (R$ 107 mil).

As nominações contemplaram, em destaque, “Tranquility Hotel Base & Casino”, da banda Arctic Monkeys, “High as Hope”, álbum mais recente de Florence + The Machine e também o disco do projeto de Noel Gallagher (High Flying Birds), “Who Build the World?”.

Outras indicações envolveram projetos de Lily Allen, King krule e Wolf Alice.  Confira a lista completa dos indicados abaixo:

Lily Allen – No Shame
Arctic Monkeys – Tranquility Base Hotel & Casino
Everything Everything – A Fever Dream
Everything Is Recorded – Everything Is Recorded
Florence + the Machine – High as Hope
Noel Gallagher’s High Flying Birds – Who Built the Moon?
King Krule – The Ooz
Novelist – Novelist Guy
Nadine Shah – Holiday Destination
Jorja Smith – Lost and Found
Sons of Kemet – Your Queen Is a Reptile
Wolf Alice – Visions of a Life

O prêmio Mercury acontecerá em 20 de setembro de 2018, em Londres.

“Tranquility Base Hotel & Casino”: Alex Turner vagueia pelas ruas de Reno em novo clipe do Arctic Monkeys

A banda inglesa Arctic Monkeys retornou as atividades em maio deste ano com o seu mais recente álbum, “Tranquility Base Hotel & Casino“. Continuando com a narrativa explorada em seu primeiro vídeo de divulgação da nova fase, “Four Out Of Five“, o grupo lançou finalmente nesta segunda-feira, 23, um videoclipe para a faixa título do disco.

Dirigido por Ben Chappell e Aaron Brown, o vídeo foi filmado em Reno, no estado americano de Nevada. Durante o clipe, acompanhamos o vocalista Alex Turner vagando em um terno branco pelas ruas, casinos e hotéis da cidade, sem saber ao certo qual será o seu destino final.

O álbum “Tranquility Base Hotel & Casino” é o sexto da carreira da banda de Sheffield.


Arctic Monkeys lança clipe para “Four Out Of Five”

Depois de compartilhar na sexta-feira passada seu novo álbum de trabalho “Tranquility Base Hotel & Casino“, a banda britânica Arctic Monkeys revelou neste domingo (13), um videoclipe para a faixa “Four Out Of Five“. O single da vez ganhou sua primeira apresentação ao vivo na semana passada, durante o programa The Tonight Show, do apresentador americano Jimmy Fallon.

Cheio de referências ao mundo criado por Stanley Kubrick em “O Iluminado“, o vídeo ocorre no hotel que dá nome ao disco. O vocalista Alex Turner parece perdido e enlouquecido, andando em círculos ao redor de corredores e túneis. Filmado em boa parte no Castle Howard, no condado de Yorkshire, o vídeo foi dirigido por Ben Chappell e Aaron Brown.

Tranquility Base Hotel & Casino” é o sexto álbum de trabalho da banda de Sheffield.

Arctic Monkeys explora estrutura crônica em novo álbum

Arctic Monkeys ajudou a consolidar de vez um cenário mais atual do gênero rock nos anos 2000, além de ser talvez o principal grupo que construiu um diálogo do rock com o pop mainstream, fazendo a banda ser conhecida não somente pelos fãs ou por pertencentes aos escusos pubs londrinos, mas também através de rádios mais populares e com alcance. Ao longo da jornada do quarteto liderado por Alex Turner, os dois primeiros álbuns impactaram por uma sonoridade mais agressiva, apresentando flertes com o hardrock e o punk britânico. As passagens dos anos, os novos discos possuíram direcionamentos mais mesclados e expansíveis, ponderando dúvidas de onde a banda poderia ir. Em 2013, lançaram “AM“, o mais recente trabalho que contém uma concentração interessante de hits e diversificação sonora. 5 anos depois, em 2018, veio “Tranquility Hotel Base & Casino“, lançado na última sexta-feira (11).

Era um álbum aguardado, principalmente para ver como seria a reinvenção que o grupo britânico passaria por. Nesse meio tempo, Turner lançou um álbum com seu outro projeto, The Last Shadow Puppets, ao lado do guitarrista e compositor Miles Kane. Bem recebido, Alex levou as influências que já tinha para colocar no novo disco. THB&C explora um cenário futurista, de ficção científica, não só pelas melodias distorcidas e longas linhas de piano e guitarra contínua, mas pelo tom e objetividade das letras, que rumavam críticas a modernidade e de seu impacto na sociedade, seja pelo comportamento consumidor ou comportamental. Há uma deveras relação de homenagem com David Bowie, que figurava alienígena para interpolar questões humanas, ricas em questões pertinentes e ritmos convincentes. No entanto, essa reinvenção e mudança mais íntima e reativa da banda foi um desafio que exigiu posições e técnicas novas, pontos que a banda não apresentava antes e como resultado, o álbum ficou confortável, espelhado somente nas homenagens e condizente só com sua narrativa mais pessoal e crônica.

As baladas acompanhadas por piano e teclado, alinhadas às linhas de baixo, percorrem o disco em um tom misterioso, célebre mas confuso. O álbum é dividível e estruturado sob uma linha musical e de progressão perceptíveis. As quatro músicas iniciais contornam e se interpolam com o jazz e o soul americano. “Star Treatment“, “One Point Perspective” e a faixa-título são menos esquecíveis que a terrível “American Sports“. Inconsistente e nivelado por baixo, o disco se renova e ganha um bom ar na pop mas ainda interessante “For out of Five”, uma mistura de eletrônica, rock e funk que lembram a boa forma que a banda consegue atingir quando pensa em prospectar novas audiências com seus hits.

Em outras canções, como por exemplo “Sciente Fiction” e “Batphone“, há uma sobrevida pelos efeitos de reverb e distorção nas guitarras e também pela própria sonoridade já batida do grupo, mas em um sentido interessante, confortável. No entanto, esse conforto sonoro traz uma mediocridade criativa e vazia no sentido de instaurar uma percepção mais impactante ao longo do álbum. São 11 músicas tendo duas no máximo uma qualidade mais justificável e propensa ao que a banda pode produzir. Não que seja suficiente apontar os problemas somente na mudança de som ou na falta de criar e percorrer melhores trilhas. Não é um disco mal produzido, possui uma masterização ótima, mesmo que seja difícil ouvir a segunda guitarra, de base. Possivelmente, pela própria atmosfera um pouco mais calma e baladesca, mas nada que consiga controlar a falsa impressão de um disco pensado em apenas conceber uma nova experiência sonora, mas sem apresentar uma firme e consistente progressão musical. Não é de todo ruim, mas está bem aquém do que se pode crer da banda.

Arctic Monkeys revela novas músicas em seu primeiro show de 2018

Em seu primeiro show do ano, a banda britânica Arctic Monkeys apresentou na cidade de San Diego, quatro músicas inéditas do seu próximo álbum de trabalho, “Tranquility Base Hotel & Casino“.

Fazendo o tão esperado retorno as turnês, o quarteto de Sheffield subiu ao palco do The Observatory, e revelou uma quantidade considerável de faixas que estarão no novo material. Foram tocadas quatro músicas: “One Point Perspective“, “American Sports“, “Four Out of Five” e “She Looks Like Fun“. Pessoas que estavam assistindo ao show conseguiram gravar e compartilhar nas redes sociais  trechos do que foi apresentado.

Confira!

Além das novidades, o grupo fez um grande apanhado de sua discografia por todos esses anos, tocando desde as músicas mais recentes, aos clássicos de seu álbum de estreia “Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not“.

O sexto álbum da banda deve ser lançado em 11 de maio e será o sucessor de “AM”, disco lançado em 2013.

Arctic Monkeys: Tudo que sabemos (até agora) sobre o novo álbum

Desde meados de 2015, a banda britânica Arctic Monkeys está em hiato, período onde os integrantes puderam focar em seus trabalhos paralelos e até mesmo tirar aquela folguinha necessária. Entretanto, no ano passado começaram a surgir rumores sobre o possível retorno da banda, já que o baixista Nick O’Malley confirmou que o novo disco já estaria em fase de produção. Em entrevista a For The Ride, o integrante declarou que o lançamento seria feito em 2018, “se não, estaríamos com problemas“.

Pensando nisso, separamos algumas informações que podem te adiantar um pouco do que pode vir por aí novo projeto dos ingleses.


TURNÊ CONFIRMADA

Em meio a tantos boatos, a banda mudou sua foto na página oficial do facebook, trocando a logo antiga do álbum “AM” por uma nova – em sequência anunciou uma série de shows pela América do Norte, animando os fãs para uma possível revelação sobre o novo disco.

A primeira apresentação da banda em quatro anos, acontecerá em Los Angeles, no dia 5 de maio. O último show do Arctic Monkeys em terras brasileiras foi em 2013, quando estavam ainda divulgando seu último álbum de trabalho.

O QUE PODEMOS ESPERAR DO SEXTO ÁLBUM DO ARCTIC MONKEYS?

Em um encontro rápido com o baterista Matt Helders, um fã aproveitou a situação para questioná-lo sobre a data de lançamento do disco. Helders revelou: “está marcado para maio“. Há rumores de que as gravações do registro estejam sendo feitas em Sheffield, cidade natal do grupo – contudo, outras fontes afirmam de que na verdade a banda estaria gravando em um estúdio de Los Angeles. Resumindo, nada certo até agora. Foi na Califórnia onde a banda produziu seu aclamado “AM“, e o mais recente disco do The Last Shadow Puppets, “Everything You’ve Come To Expect“, projeto paralelo de Alex Turner com o músico Miles Kane.

Ainda para a For The Ride, Nick (o baixista) comentou que este disco vai soar mais pesado e sujo que os outros, pegando até um pouco da influência do trabalho de Kevin Parker na banda de rock-psicodélico Tame Impala. É bom lembrar que o quarteto já fez um cover de “Feels  Like We Only Go Backwards“, em 2014.

É bem provável que Josh Homme, vocalista do Queens Of The Stone Age, esteja envolvido (mais uma vez) na produção de pelo menos uma das músicas do novo material – desde “Humbug“, o integrante segue colaborando sempre nos novos projetos do grupo. Também é possível que Alexandra Savior, parceira de composição de Alex Turner, possa vir a adicionar alguns vocais extras em algumas das faixas. A informação que tem circulado nos veículos especializados sobre música, é a de que James Ford, produtor de longa data (da banda) esteja (talvez) mais uma vez a frente da elaboração do novo projeto.


Com muito hype, e uma infinidade de rumores, o sexto álbum do quarteto de Sheffield já é um dos projetos mais esperados desse ano. Conclusão? Certamente sua chegada sacudirá o cenário musical de 2018.

Online Shopping in BangladeshCheap Hotels in Bangladesh