“Filhas do Sol”, exibido em Cannes, ganha data de estreia

Filhas do Sol“, que foi exibido na competição oficial da edição de 2018 do Festival de Cannes, onde concorreu à Palma de Ouro, tem estreia prevista em circuito comercial dia 15 de agosto. O longa é dirigido e escrito por Eva Husson.

Aqui está a sinopse oficial: Bahar (Golshifteh Farahani) é a comandante das Filhas do Sol, um batalhão composto apenas por mulheres curdas que atua ofensivamente na guerra do país. Ela e as suas soldadas estão prestes a entrar na cidade de Gordyene, local onde Bahar foi capturada uma vez no passado. Mathilde (Emmanuelle Bercot) é uma jornalista francesa que está acompanhando o batalhão durante o ataque. O encontro entre as duas mulheres, dentro do cenário caótico que as cercam, irá mudar a vida de ambas permanentemente.

Baseado em situações reais, “Filhas do Sol” é inspirado na unidade de resistência Yazidi homônima, formada apenas por mulheres iraquianas, que lutam para retomar sua dignidade numa sociedade patriarcal e permeada por lutas políticas internas. Esse grupo se formou como uma reação à guerra civil e um caminho de sobrevivência para essas mulheres, após serem vítimas de perseguição e massacres por anos. Lembrando que o longa tem estreia prevista no dia 15 de agosto.


Assista ao trailer!

Cannes 19: Confira todos os vencedores da 72ª edição do festival

A edição de 2019 do Festival de Cannes chegou ao seu fim. O júri oficial da competição anunciou hoje, dia 25, “Parasite” dirigido por “Bong Joon-ho” como o grande vencedor da Palma de Ouro. Ao todo foram mais de 15 filmes concorrendo ao principal prêmio do festival. 

O Brasil conseguiu sair consagrado do evento com a vitória de “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão“, de Karim Aïnouz na mostra Un Certarin Regard. Além disso, “The Lighthouse” longa produzido pela RT Features de Rodrigo Teixeira e dirigido por Robert Eggers foi eleito pela crítica o melhor filme da Quinzena dos Realizadores, uma mostra paralela do festival.

O Festival de Cannes aconteceu entre os dias 14 a 25 de maio e apresentou filmes como “A Hidden Life”, de Terrence Malick,Pain & Glory”, de Pedro Almodovar, “Parasite”, de Bong Joon-ho e um dos filmes mais esperado do ano “Era Uma Vez em Hollywood“, de Quentin Tarantino, entre outros.


Confira os vencedores abaixo!

Palma de Ouro: “Parasite,” Bong Joon-ho

Grand Prix: “Atlantics,” Mati Diop

Prêmio Especial do Júri: “Les Misérables”  (Ladj Ly) e “Bacurau” (Kleber Mendonça Filho, Juliano Dornelles)

Menção Especial do Júri: “It Must Be Heaven,” Elia Suleiman 

Melhor Atriz: Emily Beecham, “Little Joe”

Melhor Ator: Antonio Banderas, “Pain & Glory”

Melhor Diretor: Jean-Pierre e Luc Dardenne, “The Young Ahmed”

Roteiro: “Portrait of a Lady on Fire,” Céline Sciamma

Câmera de Ouro: “Our Mothers,” César Díaz

Curta-metragem: “The Distance Between Us And The Sky,” Vasilis Kekatos

RT Features é destaque com três longas em Cannes: “The Lighthouse”, “Port Authority” e “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”

A edição de ontem (22 de maio) da Hollywood Reporter traz matéria especial sobre o 72º Festival de Cannes e elege os 14 melhores longas apresentados durante o evento na França, que termina com o anúncio dos vencedores no próximo sábado (25/5). Entre os filmes eleitos pela revista, estão os três longas produzidos pela RT Features, do brasileiro Rodrigo Teixeira: “The Lighthouse“, “Port Authority” e “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão“.

Logo abaixo você pode conferir a sinopse oficial dos três projetos. 


The Lighthouse” : De Robert Eggers, mesmo diretor visionário da obra prima moderna de terror, A Bruxa, chega este conto hipnótico e alucinante de dois guardas de farol em uma remota ilha na Nova Inglaterra nos idos de 1890.

 

A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” : Rio de Janeiro, 1950. Eurídice, 18, e Guida, 20, são duas irmãs inseparáveis. Ambas têm um sonho: uma, se tornar uma pianista profissional; a outra, encontrar o amor verdadeiro. As duas são separadas pelo pai e forçadas a viver distantes. Sozinhas, elas irão tomar as rédeas dos seus destinos, enquanto nunca desistem da esperança de se reencontrar.

 

Port Authority” : Nos degraus da estação central de ônibus de Nova York, Port Authority, uma garota chamada Wye dança vogue com seus irmãos. Paul, um jovem recém-chegado em Nova Yorke, observa-a fascinado pela sua beleza. Assim que a procura, um amor intenso floresce entre eles. Wye apresenta-o para a comunidade de baile KIKI, uma subcultura LGBTQ underground e para sua casa, uma família escolhida por ela mesma. Mas quando Paul percebe que Wye é transexual, ele é forçado a confrontar seus sentimentos por ela e pelas forças sociais que buscam romper seus laços.

Cannes 2019: Tudo (ou quase) que foi exibido na primeira semana do festival

Celebridades, tapetes vermelhos, manifestos e muitos filmes. Todo ano, o mundo se volta para acompanhar o que está acontecendo no Festival de Cannes. Na edição de número 72, uma das mostras mais importantes do cinema revelou em sua primeira semana materiais inéditos de longas aguardados pelo grande público e pela crítica especializada. O brasileiro “Bacurau“, por exemplo, dirigido por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, chamou atenção da mídia e ganhou destaque em jornais como o britânico The Guardian, que elogiou a coragem dos diretores ao abandonar “os tons mais calmos e humanistas em prol de um pertubador frenesi ultraviolento“.

Pensando nisso e na sua curiosidade para saber mais sobre o que rolou até agora no festival, juntamos os melhores trailers, cenas e teasers que foram divulgados ao longo desta primeira semana do evento. Confira logo abaixo os vídeos juntamente da premissa de cada longa-metragem.


Bacurau“, Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

Um cineasta decide viajar para uma aldeia no interior do Brasil para fazer um documentário. Com o passar dos dias, ele começa a descobrir que os habitantes locais não são exatamente o que parecem ser, escondendo segredos perigosos. O longa tem direção de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, responsável por filmes como “O Som ao Redor” e “Aquarius“.


The Wild Goose Lake (Nan Fang Che Zhan De Ju Hui)“, DIAO Yinan

Um líder de gangue em fuga buscando redenção. Uma garota em apuros arriscando tudo para ganhar sua liberdade. Ambos caçavam nas margens ocultas do Wild Goose Lake. Eles colocam uma aposta mortal para o que pode ser seu último dia. O longa chinês é mais um que tenta conquistar a Palma de Ouro desse ano.


A Hidden Life“, Terrence Malick

Vencedor da Palma de Ouro em 2011, o diretor Terrence Malick retorna à Cannes para narrar a história real de Franz Jägerstätter, um austríaco que confrontou os nazistas e se recusou a lutar na II Guerra Mundial, logo sendo condenado a morte aos 36 anos.


The Whistlers“, Corneliu Porumboiu

Nem tudo é o que parece para Cristi, um inspetor de polícia em Bucareste que interpreta os dois lados da lei. Embarcado pela bela Gilda em um roubo de alto risco, ambos terão que lidar com as reviravoltas da traição e do engano.


Sorry We Missed You“, Ken Loach

No Reino Unido, Ricky e sua família lutam contra as dívidas desde a crise financeira de 2008. Até que por fim, uma oportunidade de recuperar alguma independência aparece com uma van nova e a chance de administrar uma franquia como motorista de entregas. Com o novo emprego informal, Ricky junta suas economias com as de sua esposa, que luta para manter sua difícil profissão como cuidadora. Apesar de todas as tentativas, a família chega a um ponto de ruptura quando ambos são puxados em direções totalmente diferentes. A trama conta com a direção de Ken Loach, de “Eu, Daniel Blake“.


Tomasso“, Abel Ferrara

Atuando junto com a esposa e a filha do diretor, Willem Dafoe faz um artista americano que vive em Roma neste drama improvisado de dúvida e desconexão, filmado em um estilo de documentário auto-reflexivo. Além disso, Dafoe também está presente em Cannes com “The Lighthouse“, de Robert Eggers, conhecido por dirigir “A Bruxa” (2015).


Portrait of a Lady On Fire“, Céline Sciamma

Na França, em 1770, Marianne vive uma pintora contratada para fazer o retrato de casamento da jovem Héloïse, que acaba de deixar o convento e se opõe totalmente ao casório. A artista, tem o árduo trabalho de pintar a mulher sem que ela saiba, a observando de dia e noite. Com o passar do tempo a trama deve desenvolver uma surpreendente proximidade entre as duas protagonistas.

Conheça 15 diretoras que estarão presentes no Festival de Cannes desse ano

Como de costume, o Festival de Cannes está pronto para mais uma edição, iniciando seus trabalhos hoje, dia 14. Com a disparidade dos sexos, a cerimônia sofreu no ano passado uma grande onda de protestos, onde artistas do mundo inteiro reivindicaram e demandaram por um compromisso maior do Festival de Cannes para com as mulheres a frente de seus projetos. Com isso, a direção do evento se comprometeu a aumentar a igualdade de gênero nas edições posteriores.

Dito isso, listamos 15 cineastas mulheres que estarão presentes no festival de Cannes deste ano!  


1) Justine Triet

Na edição de Cannes desse ano, a cineasta francesa Justine Triet irá participar dentro da mostra competitiva depois de exibir alguns trabalhos na Semana da Crítica. Triet começou a fazer cinema em 2012 com o drama “Batalha de Solferino”. Para o seu primeiro projeto em competição, Triet mantem suas raízes dramáticas com um longa chamado “Sibyl“. Você pode saber mais clicando aqui.

2) Maryam Touzani

Pela primeira vez no festival, Maryam Touzani vai estrear “Adam” na seção Um Certo Olhar. Touzani é conhecida por atuar no longa de 2017, “Razzia“, dirigido por seu marido Nabil Ayouch. Para sua estreia como diretora, Touzani retorna ao Marrocos para contar a história de duas mulheres diferentes.

3) Annie Silvertein

Annie retorna a Cannes cinco anos depois de seu curta-metragem, “Skunk” ter vencido a seção Cinéfondation do festival. Filmado em Houston com um elenco predominantemente não-profissional, intitulado como “Bull“, a estréia na direção de Silverstein segue um adolescente rebelde que tenta escapar da dor do encarceramento de sua mãe, unindo-se ao toureiro rabugento que mora ao lado.

4) Celine Sciamma

Depois de três trabalhos bem elogiados, Sciamma (de “Garotas”, “Tomboy”, “Lírios d’água”) chega a Cannes com seu novo projeto, “Portrait of a lady on fire“. O enredo do filme é sobre uma jovem artista que é contratado para pintar o retrato de casamento de uma jovem mulher em uma ilha na Bretanha, no sinal do século 18.

5) Larisa Sadilova

A cineasta russa tem 20 anos de carreira, e tem menos de dez filmes dirigidos, mas cada um fala da capacidade de extrair pequenas histórias de valor emocional. Em sua estreia em Cannes, com “Once in Trubchevsk“, Sadilova volta à sua cidade natal, explorando a vida na aldeia russa de Trubchevsk, a poucos passos de seu próprio local de nascimento.

6) Mounia Meddour

Meddour é outra cineasta que faz sua estréia como diretora em Cannes, a escritora e diretora argelina traz “Papicha” para o festival depois de trabalhar em documentários e ampliar seu trabalho com curtas-metragens. A produção segue um estudante argelino de espírito livre que se recusa a deixar que os eventos da Guerra Civil da Argélia alterem sua jovem vida. Quando ela tinha apenas 18 anos, Meddour e sua própria família fugiram do país. O filme promete entregar uma história oportuna com uma vantagem pessoal.

7) Danielle Lessovitz

Mais uma estreante como diretora, “Port Authority”, de Lessovitz conta a história de Paul, um jovem recem chegado em Nova York que se apaixona por Wye que tem um segredo sobre sua sexualidade. O filme possui uma enorme quantidade de produtores, incluindo nada menos que Martin Scorsese e o brasileiro Rodrigo Teixeira.

8) Jessica Housner

Depois de algumas aparições em outras mostras do festival, finalmente Hausner chegam em Cannes para competir com o seu projeto chamado “Littler Joe“. Além disso, ela já fez parte de dois juris nas edições de 2011 e 2016. O enredo do filme se trata sobre Uma planta geneticamente modificada espalha suas sementes e parece causar mudanças surpreendentes em seres vivos.

9) Mati Diop

Outra que chega em competição pela primeira vez é Diop com o seu longa “Atlantics“. Ela é sobrinha do pioneiro cineasta senegalês Djibril Diop Mambéty. “Atlantics” é baseado no seu documentário de 2009 “Atlantique“, que foi exibido em festivais de cinema em todo o mundo e ganhou o Tiger Award for Short Film em Roterdã. Até agora, ela dirigiu cinco curtas-metragens e atuou em 11. Ela também é a primeira mulher negra com um filme na seção de competição do festival de 72 anos.

10) Leila Conners

Mais de uma década depois, a documentarista Leila Conners está retornando a Cannes para apresentar seu novo documentário sobre mudanças climáticas, “Ice on Fire“.

11) Monia Chokri

Conhecida por participar de alguns filmes de Xaier Dolan, 2019 marca a primeira vez que Chokri estreia seu próprio trabalho em um festival de cinema. “A Brother’s Love” é a estria na direção de longa-metragem, e conta a relação íntima de dois irmãos com a chegada de um novo amante.

12) Zabou Breitman e Eléa Gobbé-Mévellec

Em seu sexto longa-metragem, a cineasta e atriz francesa Zabou Breitman conta com ajuda da diretora novata, Eléa Gobbé-Mévellec. A parceria faz todo sentido, já que Breitman dirige “The Swallows of Kabul“, sua primeira animação e Gobbé-Mévellec é uma animadora experiente.

13) Pippa Bianco

Pippa Bianco estreou seu primeiro longa-metragem, “Share“, no Festival de Sundance, no início deste ano. Bianco adaptou seu curta-metragem de 2015 e o transforma em um longa. O filme da cineasta segue uma adolescente que fica horrorizada ao descobrir que um vídeo intimo dela circula nas mídias sociais.

14) Waad Al-Kateab

Dirigido com Edward Watts, “For Sama” não é apenas o primeiro longa-metragem de Waad Al-Kateab, mas é uma narrativa pessoal de suas próprias experiências. Al-Khateab documentou sua vida no período de cinco anos  na Síria, desde a revolta até o ponto em que ela foi forçada a fugir do país. Autenticamente, Waad Al-Kateab é uma jornalista que atualmente trabalha para o Channel 4 News em Londres. “For Sama” estreou no SXSW Film Festival deste ano, onde recebeu as melhores honrarias como documentário.

“Era Uma Vez em Hollywood”, de Quentin Tarantino está confirmado para estrear no Festival de Cannes

O Festival de Cinema de Cannes e o diretor Quentin Tarantino conseguiram o que desejavam. Foi confirmado nessa quinta-feira (02/05), que o cineasta alinhou o prestigiado evento como o local para a estréia mundial de seu próximo filme, “Era Uma Vez em Hollywood“.

De acordo com o THR, o filme de Tarantino é a atração principal de um novo lote de filmes que são adições tardias para essa edição de Cannes. O longa está se juntando a um grupo de projetos que competem pela cobiçada Palme d’Or deste ano. Cineastas como Pedro Almodóvar, Xavier Dolan, Terrence Malick, Bong Joon-ho, Ira Sachs e Ken Loach já foram confirmados, tendo trabalhos em competição.

A importância dessa estreia, obviamente, ocorre pelo o fato de que Tarantino tem muita história em Cannes. Este ano marca o 25º aniversário da estreia mundial de “Pulp Fiction” no evento. Então, é justo que, o cineasta retorne a Cannes com um novo filme.

Outro anúncio surpresa vem do cineasta francês Gaspar Noé, que vai estrear um longa-metragem, intitulado “Lux Aeterna“, em uma exibição especial.

O Festival de Cannes começa no dia 14 de maio.

Três filmes da RT Features são selecionados para o Festival de Cannes

A produtora RT Features, do brasileiro Rodrigo Teixeira, tem três filmes selecionados para a 72ª edição do Festival de Cannes, que acontece de 14 a 25 de maio. São eles: “The Lighthouse“, “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” e “Port Authority” .

 

The Lighthouse é dirigido por Robert Eggers, mesmo diretor de “A Bruxa”. O longa é uma produção da RT Features, New Regency e A24, e conta com Willem Dafoe e Robert Pattinson em seu elenco. O filme está participando da Quinzena dos Realizadores.

Já na Seleção Oficial, anunciado na última semana, está o novo longa de Karim Aïnouz, “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão“. No elenco estão nomes como o de Fernanda Montenegro, Carol Duarte, Júlia Stockler e Gregório Duvivier. O filme será exibido na competição oficial Un Certain Regard.  

Na mesma competição, está “Port Authority“, da diretora Danielle Lessovitz. o longa acompanha a história de amor entre Paul e Wye, uma mulher transexual, que leva Paul a confrontar seus preconceitos e as imposições sociais. O filme faz parte da parceria que a produtora formou com a empresa de Martin Scorsese, Sikelia Productions, projeto que pela segunda vez tem um filme sendo lançado durante o festival francês.

Diretor de Cannes explica a falta de “Once Upon a Time in Hollywood” no evento

Tivemos ontem, quinta-feira (18), a divulgação da primeira leva de filmes que vão integrar o Festival de Cannes de 2019. Esperado pela grande maioria dos fãs de cinema, “Once Upon a Time in Hollywood“, dirigido por Quentin Tarantino, não esteve presente na lista. Mas de acordo com os mandachuvas do evento, isso não é uma preocupação para eles.

O diretor de Cannes, Thierry Fremaux, comentou especificamente sobre o progresso de Tarantino e como a mídia é culpada por todo o hype em torno do próximo filme do cineasta. “O filme foi anunciado prematuramente pela imprensa, o que é muito ruim porque cria expectativa”, comentou Fremaux ao Deadline.

Ele acrescentou: “Eu vi uma grande parte do longa, mas não sai até o final de julho. Tarantino quer que seja mostrado em 35mm, então a pós-produção é um pouco mais longa. Desejo-lhe sorte para estar pronto e fazer um grande filme – o que eu vi é magnífico”.

De acordo com essa fala, podemos tirar algumas conclusões. A primeira é que Fremaux garante a qualidade do filme mesmo tendo visto um material inacabado. A segunda é que Tarantino quer finalizar o projeto, e talvez não fique pronto até maio.

Claro que isso não significa que o Festival de Cinema de Cannes de 2019 ficará sem Tarantino, depois de tudo isso ter sido dito. Como em todos os festivais, sempre haverá adições de última hora à programação. Então, ainda há uma chance de que “Once Upon a Time em Hollywood” terá a estréia francesa que claramente quer.

Cannes 19: Mostra competitiva do Festival tem Kleber Mendonça Filho e mais; confira

O Festival de Cannes divulgou na madrugada de quarta para quinta os filmes que estarão presente na 72º edição do evento. Como já era esperado, nomes como o do cineasta brasileiro Kleber Mendonça Filho, Pedro Almodóvar, Xavier Dolan, Terrence Malick, Boon Joon-ho, Ira Sachs e Ken Loach estão na competição do festival.

Durante a coletiva de imprensa, o diretor criativo de Cannes, Thierry Fremaux, disse que “romantismo e política” são evidentes nas seleções deste ano. Ele comentou: “Você verá cineastas do sexo feminino, primeiros filmes, pintores, pintoras, policiais, zumbis, juízes, migrantes”. Fremaux também acrescentou que o festival deste ano incluirá 13 diretores do sexo feminino em todas as categorias.

Once Upon A Time In Hollywood“, dirigido por Quentin Tarantino, ainda não está com presença garantida em Cannes. Fremaux diz que haverá ‘boas notícias’, e que espera que o novo longa de Tarantino seja brevemente adicionado no festival. Mais filmes serão anunciados para a competição oficial, no entanto, nas próximas semanas.

O Festival de Cannes de 2019 acontece de 14 a 25 de maio.


Confira os filmes!

Em competição:

“Atlantique “, de Mati Diop
“A Hidden Life”, de  Terrence Malick
“Bacurau”, de  Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles
“The Dead Don’t Die”, de Jim Jarmusch
“Frankie”, de  Ira Sachs
“It Must Be Heaven”, de Elia Suleiman
“Les Miserables”, de  Ladj Ly
“Little Joe”, de Jessica Hausner
“Matthias & Maxime”, de Xavier Dolan
“Oh Mercy!”, de Arnaud Desplechin
“Pain & Glory”, de Pedro Almodovar
“Parasite”, de Bong Joon-ho
“Portrait of a Lady on Fire”, de Celine Sciamma
“Sorry We Missed You”, de Ken Loach
“Sybil”, de Justine Triet
“Traitor”, de Marco Bellocchio
“The Whistlers”,  de Corneliu Porumboiu
“The Wild Goose Lake”, de Diao Yinan
“Young Ahmed”, de Jean-Pierre and Luc Dardenne

Um Certo Olhar:

“Adam”, de Maryam Touzani
“A Sun That Never Sets”, de Olivier Laxe
“A Brother’s Love”, de Monia Chokri
“Beanpole”, de Kantemir Balagov
“Bull”, de Annie Silverstein
“The Climb”, de Michael Covino
“Chambre 212”, de Christophe Honoré
“Evge”, de Nariman Aliev
“Invisible Life”, de by Karim Aïnouz
“Joan of Arc”, de Bruno Dumont
“Liberte”, de by Albert Serra
“Papicha”, de Mounia Meddour
“Port Authority”, de Danielle Lessovitz
“Summer of Changsha”, de Zu Feng
“The Swallows of Kabul”, de Zabou Breitman e Eléa Gobé Mévellec
“Zhou Ren Mi Mi”, de Midi Z

Fora de Competição ou em exibição especial

“The Best Years of a Life”, de Claude Lelouch
“Rocketman”, de Dexter Fletcher
“Too Old To Die Young”, de  Nicolas Winding-Refn*
“Diego Maradona”, de Asif Kapadia
“La Belle Époque”, de Nicolas Bedos
“Être Vivant et Le Savior”, de Alain Cavalier
“Family Romance, LLC”, de Werner Herzog
“For Sama”, de Waad Al Kateab and Edward Watts
“Que Sea Ley”, de Juan Solanas
“Share”, de Pippa Bianco
“Tomasso”, de Abel Ferrara

 

Cannes 19: Cartaz oficial do festival é uma homenagem a cineasta francesa, Agnès Varda

O Festival de Cannes finalmente divulgou o pôster oficial da edição de 2019. O cartaz deste ano não se trata apenas de uma imagem bonita. A imagem que compõe o novo pôster é uma foto de bastidores de ninguém menos que a cineasta francesa Agnès Varda no set do filme “La Pointe Courte”, em 1954. Agnès faleceu recentemente, e o novo pôster é uma excelente homenagem a um ícone do cinema francês e mundial.

Para aqueles que não estão familiarizados com o cineasta, Varda tem uma relação longa e ilustre com o Festival de Cannes. O diretora teve uma dúzia de filmes exibidos no festival, incluindo “Cleo From 5 to 7” e, mais recentemente, “Faces Places” e “One Sings, The Other Doesn’t”. Além disso, em 2015, ela se tornou a primeira mulher a receber o prêmio honorário do Festival.

O Festival de Cinema de Cannes de 2019 começa em 14 de maio.


Confira o cartaz oficial do Festival de Cannes!

Online Shopping in BangladeshCheap Hotels in Bangladesh