5 filmes de terror para ver no streaming nesta sexta-feira 13

A sexta-feira no dia 13 de qualquer mês ficou conhecida popularmente como um dia de azar. De início a data não tinha relação nenhuma com o terror, até que na década de 80 surge o filme “Sexta-feira 13“, dirigido por Sean S. Cunningham, percursor de uma franquia de sucesso que brilhantemente criou uma relação solida entre este dia e o gênero de terror no cinema. De lá pra cá, personagens que se inspiraram no icônico Jason começaram a se replicar em diversos filmes, e a comemoração se tornou um verdadeiro evento da cultura pop.

Pensando nisso e em qual seria a melhor forma de comemorar este dia, montamos uma lista com cinco diferentes longas disponíveis em plataformas de streaming para você aproveitar a data relaxado, sem precisar fazer aquela velha garimpada no catálogo. Dito isto, arrasta pra baixo e vem conferir nossas escolhas!


1) “Creep” (Netflix)

Creep” é um filme de 2014 dirigido por Patrick Brice. O longa conta a história de um produtor de filmes – protagonizado por Mark Duplass – que aceita um trabalho anunciado no Craigslist (site de anúncios) e viaja a uma remota cidade montanhosa. Chegando lá, logo descobre que seu cliente tem objetivos sórdidos para esse trabalho. Apesar de ter uma premissa pouco atrativa, “Creep” ganhou uma continuação, lançada em 2017, e logo em breve ganhará seu terceiro capítulo. Ou seja, sinônimo de sucesso! 


2) “Aniquilação” (Netflix)

Um título original da Netflix, “Aniquilação“, de Alex Garland foi um dos grandes filmes de 2018 do serviço de streaming, porém não foi unanimidade na opinião por misturar horror com ficção científica. A premissa do filme gira em torno de Lena (Natalie Portman) – quando seu marido desaparece em uma zona de quarentena misteriosa, ela entra numa equipe voluntária para explorar a mesma área e descobrir o que de fato aconteceu. Além de Portman, nomes como o de Tessa Thompson e Jennifer Jason Leigh estão no filme.


3) “A Noite Dos Mortos Vivos” (Netflix)

Infelizmente a versão de George A. Romero não está no catálogo da Netflix, porém, a versão colorida, dos anos 90, dirigida por Tom Savini pode ser considerada como uma joia entre tantos e tantos filmes que estão por lá. A releitura não é nenhuma novidade: Sete estranhos ficam presos em uma casa de fazenda isolada, enquanto zumbis despertados da morte por um teste radioativo no espaço promovem um incansável ataque, matando e comendo qualquer um em seu caminho.


4) Hereditário (Amazon Prime)

Aproveitando que “Midsommar” estreia nesse mês de setembro, nada melhor do que assistir “Hereditário“, primeiro filme dirigido por Ari Aster. O filme gira em torno do luto da reclusa avó, mesmo após a partida da matriarca, ela permanece como se fosse uma sombra sob a família Graham, especialmente sob a solitária neta adolescente, Charlie. Com um crescente terror tomando conta da casa, a família explora lugares mais escuros para escapar do infeliz destino que herdaram.


5) Pari (Amazon Prime) 

Pari” é um filme indiano dirigido por Prosit Roy. Na narrativa um homem tenta ajudar uma mulher chamada Ruksahana, uma vítima de abuso, que ele encontrou acorrentada em uma cabana. Sem saber a verdadeira identidade da moça, o protagonista deve viver momentos sobrenaturais durante o passar da trama.

“El Camino: A Breaking Bad Movie”: Filme baseado na série de Vince Gilligan é anunciado

Breaking Bad” vai virar filme! Isso mesmo! Intitulado “El Camino: A Breaking Bad Movie“, o longa será lançado no dia 11 de outubro na Netflix e terá Aaron Paul dando continuidade ao seu papel como Jesse Pinkman. O novo drama deve focar na história de Pinkman após o desfecho exibido no episódio final da última temporada da série. Com o anuncio a plataforma de streaming compartilhou um teaser com o ator Charles Baker como o traficante de anfetamina Skinny Pete.

“El Camino” foi escrito e dirigido pelo criador da série Vince Gilligan. O filme será transmitido no canal AMC após o lançamento inicial na Netflix. Embora Aaron Paul tenha sido confirmado para o filme, é incerto se Bryan Cranston retornará como Walter White ou Bob Odenkirk como o advogado charlatão Saul Goodman.

Sobre a sinopse a Netflix revelou a seguinte informação: “A produção Netflix “El Camino: A Breaking Bad Film” traz de volta aos fãs Jesse Pinkman, interpretado pelo vencedor do Emmy, Aaron Paul. Na esteira de sua dramática fuga, Jesse precisa fazer as pazes com o passado se quiser ter algum tipo de futuro“.

De 2008 à 2013, “Breaking Bad” narrou durante cinco temporadas a vida de Walter White, um professor de química do ensino médio que após ser diagnosticado com um câncer de pulmão incurável, começa a se dedicar a fabricação e venda de metanfetamina, para aumentar seus lucros e manter a estabilidade financeira de sua família.



“O Irlandês”: Martin Scorsese retorna ao gênero de gangster com Robert De Niro e Al Pacino

A Netflix divulgou hoje, 31, o tão aguardado trailer de “O Irlandês“, dirigido por Martin Scorsese. O filme é baseado no livro “I Heard You Paint Houses“, de Charles Brandt. Para o longa, Martin refaz parcerias com Robert De Niro e Joe Pesci. Além disso, a produção de gangster também conta com Al Pacino em seu elenco, que trabalha pela primeira vez com Scorsese.

O Irlandês” é sobre o crime organizado nos Estados Unidos pós-guerra. Contado através da perspectiva do veterano da Segunda Guerra Mundial Frank Sheeran, um assassino profissional que trabalhou ao lado de algumas das personalidades mais marcantes do século 20, o filme aborda um dos grandes mistérios da história americana – o desaparecimento do lendário líder sindical Jimmy Hoffa – e se transforma em uma jornada monumental pelos corredores do crime organizado: seus mecanismos, rivalidades e associações políticas.

Uma dos maiores elementos em torno do filme são os efeitos visuais que Scorsese usou para demarcar os atores. De Niro, por exemplo, está interpretando Frank Sheeran em várias idades diferentes, graças à tecnolofia VFX que ajuda o ator parece mais jovem.

O Irlandês” tem estreia mundial marcada para a noite de abertura do Festival de Cinema de Nova York. O filme é o segundo lançamento de Scorsese na Netflix do ano, após o documentário “Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story By Martin Scorsese“.

O Irlandês” é a esperança do Oscar da Netflix nesta temporada de premiações, juntamente com “Marriage Story“, de Noah Baumbach.


Assista ao Trailer!

 

“The Irishman”, de Martin Scorsese, não será exibido em Cannes

A Variety confirmou hoje, dia 18, que a Netflix irá ignorar pelo o segundo ano consecutivo o Festival de Cannes. A atitude significa que títulos como “The Irishman“, de Martin Scorsese, “The Laundromat“, de Steven Soderbergh, “The King“, de David Michod e “Uncut Gems“, dos irmãos Safdie não estreiam em Cannes. Possivelmente essas projeções terão suas estreias nos festivais que acontecem na segunda metade do ano. 

The Irishman“, de Scorsese, estrelado por Robert De Niro e Al Pacino, seria facilmente o título mais atraente nessa edição de Cannes, mas a Variety relata que o filme não estaria pronto para estrear em maio, mesmo que a Netflix resolvesse está presente no festival.

O diretor do evento, Thierry Fremaux, procurou Scorsese nos últimos meses para encontrar uma maneira de trazer “The Irishman” para Cannes, para que o festival pudesse evitar perder outro grande título, como perdeu “Roma“, de Alfonso Cuarón.

Scorsese tem uma história rica em Cannes, tendo ganho a Palma de Ouro por “Taxi Driver“. O diretor já exibiu material inacabado no evento – uma prévia de 20 minutos de “Gangues de Nova York“, exibido na edição de 2002.  Com o extenso trabalho de efeitos visuais que existe em “The Irishman“, significa que a aposta de estreia mais segura para o longa seria no Festival de Veneza, que acontece no final de agosto.

A rixa entre Netflix e Cannes começou em 2017, depois de dois títulos do serviço de streaming, “Okja” e “Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe“, chegaram a competir pela Palma de Ouro. A decisão ultrajou os expositores franceses, que não concordam com à estratégia de lançamento da Netflix. A janela de estreia de filmes na França são de três anos (o que significa que os filmes só podem ser transmitidos online três anos depois de estrear nos cinemas). A pressão dos expositores levou Cannes a introduzir uma regra para o festival de 2018, de que qualquer filme em competição teria que ter uma estreia francesa.

A Netflix atende a cinco milhões de assinantes na França e não tem interesse em atrasar filmes para atender a janela de estreia de três anos. A regra não proibiu a participação da Netflix no festival, mas veta qualquer filme da empresa a disputar na mostra competitiva. Nesse caso, a empresa de serviço de streaming decidiu retirar todas as suas projeções de Cannes como uma resposta à regra.

O Festival de Cannes de 2019 acontece entre os dias 14 e 25 de maio. “The Irishman“, de Martin Scorsese, estreia na Netflix em breve.

“The OA”: 2ª temporada ganha trailer misterioso e data de estreia

No mês passado, a Netflix compartilhou uma prévia enigmática para a segunda parte da série “The OA“. Após muito mistério, a plataforma finalmente divulgou nesta quarta-feira, 27, o primeiro trailer oficial da nova temporada, que está marcada para estrear no dia 22 de março.

A primeira temporada do show criado por Brit Marling e Zal Batmanglij estreou em dezembro de 2016. O elenco conta com Brit Marling, Patrick Gibson, Brendan Meyer, Emory Cohen, Scott Wilson, Phyllis Smith, Alice Krige, Brandon Perea, Ian Alexander e Jason Isaacs.


“Roma”, de Alfonso Cuarón terá sessões especiais nos cinemas brasileiros

Lançado pela Netflix em 14 de dezembro, “Roma“, de Alfonso Cuarón ganha sessões especiais em algumas salas de cinema do Brasil. Na próxima semana, a distribuidora Vitrine Filmes levará o longa para exibições únicas em diferentes cidades do Brasil, começando por Fortaleza, Porto Alegre, Recife e Teresina. As próximas cidades e datas serão anunciadas em breve.

Os ingressos podem ser adquiridos no site. A programação completa com cinemas e horários estão disponíveis nas mídias sociais e no site da Vitrine Filmes.

“Roma” retrata a vida de Cleo (Yalitza Aparicio), empregada doméstica de uma família de um bairro de classe média da Cidade do México chamado Roma. Em uma declaração de amor às mulheres que o criaram, o cinesta Alfonso Cuarón se inspira na própria infância para traçar um retrato vívido e comovente dos conflitos domésticos e da hierarquia social durante as turbulências políticas dos anos 70.


Confira abaixo as informações!

Sessão em Fortaleza 

16/01 às 19:00 – CineTeatro São Luiz – Valor do ingresso: R$20,00 inteira / R$10,00 meia

Ingressos à venda: https://sessao-especial-roma-fortaleza.eventbrite.com.br

Sessão em Porto Alegre

17/01 às 20:00 – Cinemateca Capitólio Petrobras – Valor do ingresso: R$16,00 inteira / R$8,00 meia

Ingressos à venda: https://sessao-especial-roma-porto-alegre.eventbrite.com.br

Sessão em Recife

16/01 às 20:00 – Cine São Luiz – Valor do ingresso: R$10,00 inteira / R$5,00 meia

Ingressos à venda: https://sessao-especial-roma-recife.eventbrite.com.br

Sessão em Teresina 

16/01 às 20:00 – Cinemas Teresina – Valor do ingresso: R$20,00 inteira / R$10,00 meia

Ingressos à venda: https://sessao-especial-roma-teresina.eventbrite.com.br

As 5 melhores séries de 2018

Com tantos programas de TV em exibição todo ano, descobrir os que realmente valem a pena assistir sempre é uma tarefa bem desafiadora. Pensando nisso, formulamos a nossa lista com as cinco melhores séries do ano. Sem hierarquia e uma ordem especifica, fizemos um apanhado que passa por todos os canais e serviços de streaming, indo dos lançamentos a novas temporadas de séries que fizeram o seu nome em anos anteriores.

Se você está procurando alguns para conferir, aqui vão os sucessos mais relevantes de 2018!


Sharp Objects (HBO)

A minissérie “Sharp Objects“, de oito episódios baseada no bestseller homônimo de Gillian Flynn, é dirigida por Jean Marc Vallée – responsável também por “Big Little Lies” – e estrelada pela indicada ao Oscar, Amy Adams. Na produção original da HBO, a repórter Camille Preaker (Amy Adams) retorna à sua cidade natal para cobrir as notícias do provável assassinato de duas jovens pré-adolescentes. Enquanto tenta construir um quebra-cabeça psicológico sobre seu próprio passado, Camille acaba se identificando com as jovens vítimas.

Além de Amy Adams, o elenco conta com Patricia Clarkson, Chris Messina, Eliza Scanlen, Elizabeth Perkins, Matt Craven, Henry Czerny, Miguel Sandoval, Taylor John Smith, Sophia Lillis e Madison Davenport.


Barry (HBO)

Barry, interpretado por Bill Hader – vencedor do EMMY de “Melhor Ator em Série de Comédia” – é um matador de aluguel com depressão que é contratado para assassinar um aspirante a ator. Ao perseguir seu alvo até uma aula de atuação, Barry acaba atraído pelo distinto grupo e decide mudar de carreira. Mas seu passado no crime não vai deixá-lo em paz.

Com muito humor negro, a série de comédia passa longe dos clichês do gênero e passeia muito bem por todas as camadas apresentadas durante os seus oito episódios.


Homecoming (Amazon Prime)

A nova série da Amazon Prime acompanha os funcionários de uma agência governamental secreta que ajuda na transição de soldados que querem retornar à vida civil. Na trama, três personagens diferentes se encontraram em complicado dilema. Escrito e adaptado por Sam Esmail – mesmo criador de “Mr. Robot” – o thriller psicológico se concentrará no trabalho da assistente social Heidi Bergman, interpretada por Julia Roberts em sua primeira empreitada no mundo das séries.


Bojack Horseman  — 5ª Temporada (Netflix)

Em seu quinto ano, BoJack Horseman não decepciona seus fãs e continua confiante em sua saga de autodestruição tão devastadora quanto hilária. A série animada criada por Raphael Bob-Waksberg acerta mais uma vez em cheio ao levar um olhar de reflexão para dentro de seus personagens, encontrando suas falhas e mostrando que por mais piegas que isso seja, em algum momento tudo pode melhorar.

Para quem não conhece ainda, a narrativa acompanha a vida decadente da estrela de um sitcom dos anos 90, BoJack Horseman (Will Arnett). Com a ajuda de Todd (Aaron Paul), seu parceiro humano, e a ex-amante Princesa Caroline (Amy Sedaris), ele anseia pelo momento onde deixará novamente a sua marca no mundo do entretenimento.


Atlanta  — 2ª Temporada (FX)

Depois de um longo intervalo, durante o qual o criador Donald Glover trocou Earn por Lando Calrissian no filme “Han Solo: Uma História Star Wars“, a série “Atlanta” voltou ainda mais forte em sua segunda temporada. Com o subtítulo de Robbin ‘Season, fazendo referência à ‘temporada de roubos’ que atinge a cidade anualmente antes do Natal – a nova temporada continua a seguir os conflitantes passos dos três protagonistas em busca de sucesso no mundo do entretenimento.

O intransponível afeto de Alfonso Cuarón em “Roma”

O novo longa-metragem de Alfonso Cuarón, “Roma“, que estreou na Netflix na última sexta-feira (14) e ainda contou com exibições em cinema nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, remarca o traquejo cinematográfico do cineasta mexicano em tratar dos afetos, das relações e da memória em um tortuoso e instável cenário

O ambiente do filme é 1971, um ano após a edição da Copa do Mundo no país fronteiriço aos Estados Unidos. O tri do Brasil, coroado pelo petardo cruzado de Carlos Alberto Torres. Na porta que separa os quartos de Paco e Toño, meninos da família abastada residente ao bairro alcunhado de “Roma”.

Passeando entre os cômodos, acordando Toño, Paco, Pepe e Sofi, a empregada Cléo. Jovem, a mesma permeia a casa com sua afeição aos filhos de um casal instável. O pai, médico, apresenta distância da mãe, a química e professora Sofia. Enquanto se torna longínquo o relacionamento dos patrões, Cleo e a outra empregada da família, Adela, falantes do dialeto mixteco, estendem as roupas no telhado do imóvel.

Pepe, o caçula dos meninos, deita em uma pequena plataforma de concreto. “Estou morto, não posso falar”, diz o menino, em uma poética manifestação de inocência. Cleo, cumprimenta sua juventude e abraça a ação infantil. Este é o ato primário que rege toda relação de carinho e sentimento que a empregada possui com os filhos do casal.

“Roma” também destrincha a personalidade de Cleo a partir de diversas pontuações; a irmandade com Adela é a principal, onde através dos diálogos, é contada a origem de ambas, um dos contextos sócio-políticos do México na década de 70, como o desenvolvimento rural e as consequências da reforma agrária, do começo do século.

Outro sentido na relação entre ambas é a irmandade, utilizada como artefato narrativo para cadenciar os problemas intersecionais que mulheres sofrem, independente de classe ou etnia. O maior deles, o abandono parental. Mesmo que a família ainda exerça esse papel dominante para com a empregada, ele fica mais cristalizado quando esse poder passa para a mulher da casa, Sofia.

Para observar como esse estigma afeta ambas, Cuarón racionaliza os efeitos individuais; enquanto o abandono da família por parte do patriarca inicia um ruído familiar, cria conflitos entre a mãe e os filhos e posiciona em estado frágil, para Cleo, esses sintomas são potencializados a partir de sua marginalização enquanto mulher, pobre e por conta de seu emprego, diminuta.

A cena em que a avó das crianças e mãe de Sofia a acompanha ao hospital e o mesmo pede informações sobre Cleo, as únicas passadas são os primeiros nomes e ocupação. A avó desconhece data de nascimento, informações clínicas, se há familiares vivas de sua empregada.

Após os eventos traumáticos de ambas, representadas por suas distâncias sociais enquanto exercícios de poder, “Roma” abstrai esse contexto e investe com maior finco na relação de Cleo com as crianças. O amor, a companhia, a querência da presença, o passeio com a família até a praia.

Todas são constatações afetivas da memória do cineasta com sua infância.  É importante validar que a observação de Cuarón em “Roma” sobre as relações empregatícias, principalmente pela informalidade e pela aproximação familiar, por mais debates que possam surgir, é importante considerar que se trata de um recorte da lembrança do diretor.

O filme não irrompe em ser um crítico das relações, partindo para uma justiça social, pois esse não é o foco. Há o debate, há a costura social nos principais momentos do filme, até mesmo em como finaliza o abandono sofrido por Cleo em meio às catarses das reformas estudantis à época, que sofreram gravíssima repressão policial e do governo recém iniciado de Luis Echeverria Alvarez.

São recortes que sempre existiram paralelamente com as relações dominantes e de poder. Enquanto Cleo se questiona os fins de sua família, da origem ameríndia, é ordenada a pegar chá e diversas outras coisas após receber declarações enormes de amor por parte dos filhos.

Impressiona como “Roma” observa um redor completo. Narra o afeto e o expõe como insólito, mas pratica a empatia. Ao mesmo tempo, identifica as questões sociais pertinentes sem santifica-las. Aliás, emaranhar a esse ponto e tratar o filme como desonesto em sua intenção é utilizar idealismos, cartilhas teóricas de ordem progressista.


[youtube https://www.youtube.com/watch?v=fp_i7cnOgbQ]

Apple contrata A24 visando produções de filmes ao seu favor

Diferente de concorrentes como a Netflix e a Amazon, que estão interessadas em construir seus próprios estúdios a partir do zero, a Apple está pronta para se juntar a respeitada empresa vencedora do Oscar para contribuir com sua futura produções de longas-metragens.

Segundo a Variety, a empresa de tecnologia fez uma aliança de anos com o estúdio independente A24. Os detalhes do negócio ainda estão em sigilo, mas com o acordo, pode considerar que a Apple se tornou instantaneamente uma distribuidora, já que a A24 todo ano é responsável por lançar os filmes mais aguardados da temporada.

Apesar deste novo acordo com a Apple, é dito que a A24 ainda está livre para cumprir outras parcerias que já estão em vigor. O estúdio atualmente tem um acordo com a DirecTV, que permite que as duas empresas adquiram em conjunto filmes para distribuição nos EUA. Há também uma pequena negociação com a Amazon, que permite que os filmes da A24 sejam transmitidos no serviço Prime Video após a exibição nos cinemas.

Este novo acordo entre as duas empresas acontece depois de alguns meses do boato de que a Apple estava interessada em comprar o pequeno estúdio de cinema. No entanto, esses rumores nunca se concretizaram.

A24 foi encarregada de lançar alguns filmes marcantes nos últimos anos, incluindo “O Quarto De Jack“, “Ex Machina“, “A Bruxa” e “Moonlight: Sob a Luz do Luar“, no qual rendeu ao estúdio o primeiro Oscar na categoria de Melhor Filme. Já nesse ano, o estúdio foi responsável por “Hereditário“, “Eighth Grade” e “Mid90s“.

Quanto ao destino da Apple no cinema, isso ainda é uma incógnita. Até o momento, o foco principal que a empresa tem tido no seu serviço de streaming tem sido as séries de TV. Não fica claro se esses futuros filmes serão adicionados ao streaming de maneira exclusiva, ou se, como a Amazon, a Apple tem pretensão de levar os longas para serem exibidos nos cinemas.

Terceira temporada de “Demolidor” ganha trailer e data de estreia

A Netflix divulgou nesta quinta-feira (20) mais uma prévia da terceira temporada de Demolidor e a sua data de estreia: 19 de outubro.

Após os acontecimentos de “Os Defensores“, Matt Murdock (Charlie Cox) retorna e o vídeo dá a impressão que Wilson Fisk (Vicent D’onofrio), também voltará a ativa.

Não foram reveladas muitas informações do roteiro da nova temporada. Os fãs especulam que a saga “A queda de Murdock” será adaptada. A história criada por Frank Miller é uma das mais importantes e aclamadas do personagem nos quadrinhos.

Já o poster mostra o herói ferido como se estivesse pendurado em uma cruz. A imagem faz referência aos elementos religiosos que permeiam a trama.

As duas primeiras temporadas de “Demolidor” e a série “Os Defensores” estão disponíveis no catálogo da Netflix.


 

Online Shopping in BangladeshCheap Hotels in Bangladesh