“Your Name” e a sutileza de Makoto Shinkai

“Your Name” e a sutileza de Makoto Shinkai

Há alguns anos atrás fiquei fissurada pela filmografia de Hayao Miyazaki, e talvez até transtornada por não entender como “Princesa Monoke”, “A Viagem de Chihiro” e o “Castelo Animado” me tocaram de formas tão distintas. Era o meu primeiro contato com filmes de animação japonesa. Encantei-me pela narrativa das histórias e pelo estado contemplativo que cada longa traz, nos fazendo refletir e até rir da condição humana perante as variantes situações. O paradoxo que faço aqui entre Miyazaki e Makoto Shinkai (diretor deste longa) não é de comparação em relação as suas animações, mas de como “Your Name” faz jus à seu hype e ao status de excelência do cinema japonês.

A premissa é simples: Um garoto e uma garota que por um fenômeno incerto trocam de corpos, e no raiar de um novo dia acabam imaginando que foi tudo um mero sonho. Os dois moram em cidades diferentes e tem sua rotina diária de adolescente. No entanto, tudo se complica quando a variante viagem no tempo aparece e tudo que você imaginava ter decifrado do filme até os seu 30 primeiros minutos se transforma em uma grande ilusão. Shinkai cria uma atmosfera a principio confusa, mas não entenda como um desleixo do diretor já que em seu segundo ato o filme explica bem o universo onde se destrincha e praticamente joga no colo do público a grande revelação. O roteiro foi criado de maneira meticulosa para que o espectador se sinta enganado em um primeiro momento e posteriormente entenda o complexo e sutil mundo onde “Your Name” se passa.

Visualmente o filme é praticamente uma aquarela em movimento. É absurdo como entre as diversas cenas me peguei pensando nas belíssimas cores que apareciam a cada novo tracejado. Cenas que ao longo da película se unem perfeitamente a divertida trilha sonora da banda Radwimps, dando leveza ao filme que a principio tem um andamento pra lá de acelerado. No segundo ato onde já conseguimos encaixar algumas peças, podemos perceber o ritmo do filme diminuindo e acrescentando plot twists expressivos a jornada de Tachibana Taki (o garoto) em busca de Mitsuha (a garota). É aqui onde os acontecimentos mais importantes começam a surgir, alterando o tom de um filme meio comédia-romântica, para um mais sério que vai muito além da busca pelo amor, mas sim pela jornada de autoconhecimento de Mitsuha com o mundo que lhe permeia.

É linda a maneira como este filme deslumbra o público com seus personagens encantadores, e recria situações tão inusitadas que nos fazem parar para pensar sobre o quanto o ser humano ainda pode aprender consigo mesmo. Parece piegas, mas é verdade! Com uma história forte e roteiro bem desenvolvido, “Your Name” não pode passar despercebido e deve ter seu valor reconhecido dentre um dos melhores filmes deste ano.

ARTIGOS RELACIONADOS